29.12.12

23.12.12

Estrela da saudade




De novo é Natal e, neste ano, vai ser bem diferente. No dia 25 de dezembro, faz um mês que Tia Lalia nos deixou, ao percorrer o caminho inverso daquele trilhado pelo Menino Deus, que se tornou gente para habitar entre nós. No caso dela, de ser humano maravilhoso, ela se reinventou: virou estrela. Foram anos seguidos de alegria em sua casa, cantando parabéns para o Jesus Pequenino - porque jamais dispensou bolo, velinhas e oração em homenagem ao aniversariante. E, no ano passado, na mesma ocasião, como uma profecia, pediu: "Se no próximo Natal eu não estiver por aqui, quero que vocês continuem reunidos, comemorando.". Que bobagem, você sempre estará conosco, Tia Lalia, pois seu jeito amável e feliz impregnou nossa vida de humanidade. Mas, como aprendizes, ainda não somos capazes de conviver pacificamente com a dor. E a comemoração deixemos que ocorra no céu, pois sabemos que aí, sim, deve haver uma festa linda para marcar sua chegada à morada dos anjos.


pedro antônio de oliveira


Imagem do site de
Stephano Pierini: O menino e a estrela

22.12.12

Aos olhos que eu nunca esqueci



Olho pra trás, diminuo a velocidade
A verdade simplesmente não existe
Preciso nos sentidos um milagre do corpo
Ideias ao entardecer.

Faço planos, crio mundos
Desses de possuir e não ter
Nas ideias os sentidos
Tudo que a gente pode ser.

Não tive tempo pra dizer
Aos olhos que eu nunca esqueci
Desculpa só mais uma vez
Nosso encontro foi talvez.

Venha ficar comigo
Tudo pode acontecer.

"outros planos" 14 bis

17.12.12

Natal de todos nós



Seja uma estrelinha a guiar Deus Menino,
o facho de alegria a iluminar toda gente.
Natal é pra todo mundo:
pra quem está feliz,
pra quem ainda não consegue,
pra quem quer conseguir.

pedro antônio de oliveira

1.11.12

Ontem mesmo


Sabe aquele tempo em que o tempo não voava?

pedro antônio de oliveira

Clarividência



Ser infeliz é mais fácil, mais cômodo. Sua vida cabe toda num quartinho escuro e mofado. Ser feliz é que é pros bambas, pra quem deseja agarrar o sol, o poderoso sol da existência. Dá trabalho, tem que caminhar, tem que decidir, tem que se desprender da fraqueza de não se suportar e de não suportar o óbvio, o insosso; tem que se despregar do senso de autopiedade, da culpa, do pavor da crítica e se lançar como um raio, voraz na sede de iluminar e se iluminar.

pedro antônio de oliveira

29.10.12

Amor que não se mede


Todo super-herói luta contra um inimigo. Esses aí embaixo também. Só que nessa batalha o desafio é um pouquinho diferente: a força vem de pessoas comuns, feito você e eu, que não temos superpoderes, mas que juntos somos capazes de multiplicar a esperança. 

A Associação Unificada de Recuperação e Apoio (Aura) é uma entidade sem fins econômicos, criada em 1998, para oferecer suporte terapêutico a crianças e adolescentes com câncer e a seus familiares. A galerinha vem de várias partes de Minas Gerais e até de outros Estados. Lá, recebem gratuitamente alimentação, moradia e muito amor, durante todo o tempo em que estão em tratamento na capital mineira. É tão bacana que vale a pena você conhecer. Acesse o site da Aura. Clique.


Crianças atendidas pela Aura

Certa vez, li na Revista Encontro uma matéria intitulada "Eles merecem seu dinheiro", que destaca dez entidades filantrópicas da Grande BH que desenvolvem um trabalho honesto e eficiente. Dentre elas, está a Aura. Descobri que disponibilizaram a reportagem na internet. O link está aqui. Clique. Pare só um pouquinho e leia. E, se puder, colabore com doações ou sendo um voluntário. 

pedro antônio de oliveira

27.10.12

Descompasso


A espera é quando o coração vai de avião e os ponteiros do relógio andam de bicicleta.

pedro antônio de oliveira

Coragem



Dorinha, que mora um andar acima, teclou comigo só para confidenciar: está aprendendo a não se sentir tão culpada. Está aprendendo a respeitar seus desejos e limites. Se ela deu uma resposta enviesada, se acordou de mau humor e não quis conversa, se preferiu ficar lendo aquele livro de seiscentas páginas em vez de arrumar o quarto, se deu um fora no jantar em família, se, se, se, se... ela garante: pede desculpas a quem magoou, volta atrás e tenta reparar o erro, liga o MP3, dança sozinha no quarto ou dedilha sua música favorita no violão (Que lúdico, não?). Sem culpa. Tudo sem culpa (Ham? Culpa, o que é isso?). Ela não é perfeita, não é robô, não é máquina programada só para acertar, aceitar e ser boazinha. Tem vez que ela abotoa o pensamento naquele alguém especial que não dá bola. É quando ela acha a vida injusta. Porque justiça seria se esses dois corações se autoconectassem de uma vez por todas e, juntos, se teletransportassem para um luau em terras paradisíacas. Enfim, quanta coisa imperfeita e inconstante sublimando ao vento, igualzinho a ela. 
Primeiro ela vai se amar. Já está se amando. Engraçado que então percebeu que amor começa mesmo com a gente, daí o mundo se torna um lugar mais habitável e humano. Ela está se sentindo mais desoprimida (Que bom!).
Definitivamente, está nascendo uma nova Dorinha: uma Dorinha que se adora, que se entende (Será?) e adora as pessoas a sua volta, do jeito que elas são, cheias de altos e baixos, tristezinhas, muxoxos e sorrisos. Ser gente é assim, metamorfosear-se, tentando ser feliz.


pedro antônio de oliveira


23.10.12

Blogueiro-morcego





Eu queria não precisar dormir, juro! Por exemplo, planejei fazer um bilhão de coisas agora à noite. E acabei não fazendo quase nada. Só que amanhã vou encarnar o tenebroso monstro das olheiras, se não dormir minhas revitalizantes oito horas noturnas. Mas o que eu queria mesmo era ficar bem aceso, ouvindo música, lendo, estudando inglês (Oh, my God! I need to improve my English! Porque vivo cometendo gafes internacionais pelo meu pequeno mundo afora.) ou simplesmente escrevendo frivolidades neste blog, que incontáveis vezes já pensei em implodir. Aliás, todo blogueiro que se preze já pensou em destruir seu blog, pelo menos, uma centena de vezes. Alguns levaram a cabo essa ideia virtual macabra (BwaaahauahauahauauU!  - Risada sem graça de monstro.) E se você ainda não percebeu, vários posts já sumariamente desapareceram desta Torre por terem se tornado para mim algo horripilante, asquerosamente piegas ou sem sentido. A propósito, o que realmente faz sentido? Nothing!

Termino com um trecho de uma musiquinha meio velhinha do Charlie Brown Jr. (porque os hits ultimamente ficam velhos e caducos num piscar de olhos):   

Toda positividade eu desejo a você
Pois precisamos disso nos dias de luta
O medo cega os nossos sonhos
O medo cega os nossos sonhos
Menina linda, eu quero morar na sua rua.


(...)

pedro antônio de oliveira

O valor de cada coisa



Soninha tem mania de achar que pode controlar tudo: o tempo, as pessoas, os desfechos das tramas... Ela está quadradamente enganada. 

Não me canso de repetir: "Soninha, pra que tanta pressa? Deixe a vida acontecer, ô maluca! Seu coração ainda acaba frito!".

Será que um dia ela vai me dar ouvidos?

Mas não é só a Soninha. 
Conheço tanta gente que anda precisando descobrir a felicidade nas coisas simples da vida. (Ah, e quem está nadando aí na foto não é a Soninha, não. E nem esse aí, curtindo um sol na grama, sou eu. Tirei a imagem daqui ó: clique.)

pedro antônio de oliveira

4.10.12

30.9.12

Uma fábula africana



Numa manhã de inverno, quando o sol começava a esquentar a areia fria do deserto, uma zebra aproximou-se do poço expulsando a avestruz que lá estava. A ave pôs-se a brandir as asas, maldizendo a lei da selva:
- Entre os animais, a hierarquia da força jamais é contestada. A vez é sempre dos mais fortes. Houvesse uma repartição justa do poder e tudo seria diferente.
A zebra deu risada:
- Sai pra lá, avestruz sabichona.
Um leão que passava por ali foi chegando e expulsou a zebra.
- Droga! – ela reclamou – Fosse a selva uma república e o império do rei da floresta já teria terminado.
- Olha que eu te mando pra guilhotina – disse o leão, debruçando-se sobre o poço.
Nisso chegou o rinoceronte negro e pôs o leão pra correr.
- Maldita lei da selva – resmungou o rei desenxabido – houvesse aqui mais respeito pelas tradições e meu reinado não seria contestado.
O rinoceronte riu da cara dele, mas teve que dar lugar ao elefante. Mais forte que o elefante não havia ninguém.
Uma galinha-d’angola que chegou, passou por entre as pernas do elefante e bebeu água à vontade.
Moral da história: na lei da selva, mais vale charme e simpatia do que da força a hierarquia.


Que tal conhecer? Clique.

28.9.12

Trupe Maria Farinha: Histórias pra deitar e rolar


Os olhos da gente ficam congelados, mas o coração se aquece. Às vezes, ele também dispara; até parece bateria de escola de samba. Dá frio na barriga, nó na garganta e, no momento seguinte, vontade de soltar aquela gargalhada. Sabe o que é isso?
É a magia da narração de histórias.

Aqui mesmo no blog, milhões de anos atrás, prometi falar um pouquinho sobre a Trupe Maria Farinha. Esse dia chegou! Tcham-tcham-tcham-tcham!
Muitos posts mais tarde, venho cumprir a promessa (He-he!).


A Trupe passa, a alegria fica

A Trupe Maria Farinha é um projeto que reúne poesia, teatro, trovas, canções, acalantos, sons, brinquedos e literatura. O eixo norteador é a vivência e a compreensão da arte, por meio de uma perspectiva crítico-social, do processo de criação e da difusão artística. Complexo, não? Que nada! Basta se sentar e curtir uma bela história.




Vou ser bem sincero porque não tenho papas na língua: é fenomenástico (mistura de fenomenal com fantástico) o que Sandra Bittencourt e Babu Xavier aprontam em cena. Ela é atriz, pedagoga e especialista em ensino especial, arte-educação e literatura infantil e juvenil. 

Ele, um mago dos efeitos sonoros e das melodias.

Sandra Franco Bittencourt
Babu Xavier

Babu utiliza instrumentos como pandeiro, triângulo, berimbau, tambor do maranhão, tambor falante, didgeridoo, djembê, pau de chuva e kalimba.


Olha eu aí, com o Babu e a Sandrinha

Se algum dia tiver a oportunidade de conferir pessoalmente o espetáculo da Trupe Maria Farinha, verá que não estou mentindo. 
Enquanto isso, que tal curtir a página deles no Facebook? Clique.

10.9.12

Brilhante


Pro céu não desabar
Escondo sua estrela no bolso
E me apresso a voltar logo
Pra colocar no vazio da noite
Um belo sorriso seu.

pedro antônio de oliveira

Contradança


Me leve para dançar
Eu sou leve
Tão leve...
Nem me importo de errar.
Quando tropeço
É quando mais aprendo
E me rendo
Ao seu olhar.

pedro antônio de oliveira

Como farol


As palavras nasceram para iluminar.
Mas que pesar
Quando algumas são usadas 
Fora de lugar!

pedro antônio de oliveira

10.8.12

Um dia para o seu pai e você




Dê um abraço bem amigo no seu pai. E até um beijo, se sentir vontade. Menino que cresce também pode beijar o pai, por que não? Eu beijo o meu. O amor é unissex e beijoqueiro. 

Se você puder e precisar, peça perdão a seu pai. Todo mundo erra. Todo mundo tem o direito de recomeçar uma velha história de um jeito melhor. 

Perdoe o seu pai, se por acaso foi ele quem errou o caminho. Um coração de filho de verdade perdoaria. No fim, o que manda é o amor. O resto não importa. Perder tempo é uma bobagem. A vida pode ser longa, mas passa depressa, não percebeu? 

Se você é mais pai do seu pai do que ele deveria ser para você, aceite. Quando houver um curso para formação de pais, haverá também um para aperfeiçoar os filhos, outro para curar cegueira da alma, mais outro para confiar em Deus e outro e tantos outros... para deixar o mundo perfeito. Mas, se você for esperar por isso, talvez se canse.

Se você e seu pai já são ligados um no outro há tempos, joguem conversa fora. Saiam para rir à toa. Tão bom ser feliz ao se lembrar de quando a gente era criança e o pai era aquele gigante invencível, imbatível, um sujeito ideal. O meu, por exemplo, sabia tudo. Até hoje sabe. (Shhhiiii... fala baixo! Ele sabe mais ou menos, bem menos do que eu acreditava que soubesse. É que um dia a gente descobre que pai desconhece uma pilha de coisas. Por falar nisso, vale a pena despistar quando o pai der mancada. Isso também se chama amor, compaixão, respeito...) 

Hum... E se seu pai não estiver mais com você? Paciência. Feche os olhos e pense nele. Faça silêncio. Faça uma oração. Faça uma música. Deixe rolar uma lágrima refrescante. Agora, se ele estiver do seu lado, comemore, dê um sorriso; fale para ele: Pai, eu te amo! Tem gente que acha difícil falar que ama. Mas não é não. É mais fácil do que você imagina. Depois que você falar pela primeira vez, vai querer falar sempre, toda hora. Se não conseguir, escreva no cartão: Pai, eu te amo! Faz quase o mesmo efeito. Só não deixe esse sentimento em segredo. It's a sin.
...
pedro antônio de oliveira


18.7.12

Divino



Feliz de quem vê Deus nas pessoas.
Feliz fica Deus quando se vê nas pessoas.
Infeliz de quem se acha Deus.

pedro antônio de oliveira

Princesa partida ao meio


Foi punk descobrir
Que seu coração batia 
Ora...
Tum-tum-triste :(
Ora...
Tum-tum-feliz :)
...
Vida de aprendiz.

pedro antônio de oliveira


Rebeldia



Gritos mudos e engolidos
Dão azia
Dão agonia
Dão azar.
Que tal mudar?

pedro antônio de oliveira

Tanta coisa eu tenho pra falar

Eu tenho a luz das estrelas 
Na palma da mão 
Mas tudo o que eu mais quero 
É o seu coração. 
Eu posso andar no arco-íris 
Dar prata ao luar 
Mas no céu azul 
No azul do mar 
Quero poder te tocar. 

"já nem sei mais" roupa nova


11.6.12

Até o começo


Te contar o que é que eu sinto
Nem com um oceano de palavras.

pedro antônio de oliveira


Feliz Dia dos Namorados.

5.6.12

Seja bem-vinda, Dandara!


Olá, eu sou a Dandara! Ui, que emoção! 
A partir de agora, estarei aqui no blog, 
falando um pouco sobre os preconceitos bobos das pessoas! 
E todas as histórias, acredite!, aconteceram de verdade. 


Dandara em: 
A beleza que mora em nós

Outro dia, a moça do shopping disse pra minha mãe que sou uma morena linda, da cor de jambo. Fiquei feliz com o "linda". Hum... porém, ela se enganou, porque eu sou negra. Qual o problema?

Tudo bem que cada um tem seu jeito de ser e de ver as coisas. Confesso que essa história causou um tremendo nó na minha cabeça. Será que não conheço mais as cores?

Com o tempo, fui percebendo que muita gente vive "cheia de dedos" na hora de falar sobre a cor da pele. Isso deveria ser algo natural, pois, andando pelas ruas da cidade, eu vejo muito bem: há pessoas de várias cores - alguns são negros, outros pardos, brancos... cada qual com seu charme e estilo. Se a beleza escolhesse uma só cor para amiga, a vida seria bastante chata, não acha?


Em 2010, o Grupo de Trabalho de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura de Belo Horizonte decidiu nos apresentar uma garotinha incrível de, mais ou menos, 8 anos de idade, a Dandara. Ela veio com a missão de ajudar as pessoas a refletirem sobre o preconceito e a inclusão social. Fico feliz por fazer parte da equipe que dá vida à Dandara. Agora resolvemos trazê-la também para a Torre Mágica; não é o máximo? Em breve, ela terá seu próprio blog. (Que chique, Dandara!) Aguarde. Enquanto isso, leia os contos que já saíram publicados no informativo Entre Nós. As ilustrações são do talentoso Clayton Ângelo. Quer saber detalhes de como tudo isso começou? Então clique aqui, ora!

pedro antônio de oliveira

Dandara em: Mudanças

O nosso novo apartamento é lindo. De tão alto, é possível avistar as coisas lá na frente, aonde nunca fui direito. No primeiro dia, minha mãe foi confundida com uma empregada doméstica na hora em que descia de elevador pra pôr o lixo na rua. Uma senhora perguntou quando os donos do oitavo andar se mudariam.

O queixo dela despencou de uma só vez, logo que ficou sabendo que conversava com a própria dona do apê. Será que ela pensa que todas as empregadas domésticas do mundo precisam ser negras e as moradoras de arranha-céus ter cabelos lisinhos? 


Ai, ai, ai... É cada uma! Igual ao chefe da minha mãe, que pediu pra ela "dar um jeito" naquele estilo afro do penteado dela. Só faltou dar de presente um aparelho de chapinha junto com a promoção de gerência. Mamãe disse "não", e acabou provando pra ele que não era o cabelo dela que tinha de mudar, mas, sim, o jeito de se olhar para aquilo que já é bonito.


Dandara em:
Entre iguais

Já ouviu aquelas piadinhas bobocas que fazem com negros? Eu já! Um montão de vezes! Mas eu “nem-te-ligo-farinha-de-trigo”! Entra num ouvido e sai no outro. Como pode alguém achar graça naquilo que procura diminuir as pessoas? Fica parecendo que ser negro é ser menos na vida. Quem faz uma coisa dessas não imagina o quanto isso machuca a gente. Certa vez, chamaram a Talita de “barata descascada”, só por ela ser branquíssima. Ela ficou toda murcha, coitada. Se bem que foi a Tatá quem começou, botando no Arthur o apelido de “pão queimado”. 

Que coisa feia ficarem se agredindo daquele jeito! Ainda bem que, depois do bate-boca, tudo terminou em paz, com direito a pedido de desculpas e um aperto de mão. Ufa! Pelo menos, a confusão serviu pra que cada um se conhecesse melhor e se respeitasse como ser humano. Desconfio de uma coisa: a Talita tem uma quedinha pelo Arthur. É isso mesmo. Já entendi tudo! Que pena que as pessoas, às vezes, tenham tanta dificuldade em dizer “te amo”. Tão mais simples... né!?


Em breve, mais contos da Dandara. Espero que você tenha gostado!

pedro antônio de oliveira

29.5.12

Serafín, el escritor y la bruja





Era uma vez um garoto tímido. Seus pais não acreditavam em seu potencial. Nem ele. Mesmo assim, lá no fundo, ele queria muito provar que era um sujeito capaz.

Era uma vez também uma bruxa sem vocação para bruxa, motivo de bastante gozação, até da própria irmã. E era uma vez, ainda, um escritor cansado de escrever biografias enfadonhas, de gente desinteressante e careta. Seu maior sonho era se dedicar a contos de terror (com muito sangue e pavor!), coisa que experimentou fazer (e bem!) durante a adolescência.

Na noite do Dia das Bruxas, seus olhares e sonhos pousam sobre a mesma estrela. E essa estrela brilhou tão intensamente que uniu os três destinos numa aventura saborosa, cheia de emoção e ternura. "Primeira estrela que vejo, dá-me tudo o que desejo.''

Foi a Aléxia quem trouxe para mim, da Argentina, "Serafín, el escritor y la bruja" (de Claudia Piñeiro). Antes, fez questão de ler o livro para a pequena Lara, uma garotinha que ama histórias, assim como eu. Acabei de lê-lo agorinha há pouco, e sabe de uma coisa? Me bateu uma vontade irresistível de buscar a minha estrela. Aqui estou, na janela!

pedro antônio de oliveira

25.2.12

Cristalino


Gente bonita por dentro
Mundo mais lindo cá fora
Faz fraquinha, fraquinha
A dor que amola.

pedro antônio de oliveira

Ainda vai dar samba...


Grace Kelly! Desgruda desse telefone, criatura! Não sei o que tanto conversa com esse tal de... de... Como é mesmo o nome dele, Grace Kelly? Grace Kelly!!!  

pedro antônio de oliveira

A dança do arco-íris

Há muito tempo, vivia sobre uma planície de nuvens uma tribo feliz. Como não havia solo para plantar, só um emaranhado de fios branquinhos, as pessoas se alimentavam da carne de aves abatidas com flechas. De vez em quando...



Mais uma de lua e estrelas



ObotãodoespaçonãofuncionajustohojequeeuqueriavisitaraLuaetelevarpraconhecerumasestrelas...

flávio louzas rocha

17.2.12

Prazer de viver em um planeta melhor

A gente tem vontade de mudar o mundo; nem sempre é fácil. Um pouquinho que seja é melhor que nada. No prédio onde trabalho, faço parte da comissão de Coleta Seletiva. Não é legal? Vai ser um tremendo desafio convencer as pessoas a não jogarem copinho sujo de café na caixa destinada a papel limpo e seco. Também incentivar o pessoal a colocar cada resíduo sólido em seu devido lugar - para depois enviar tudo a uma cooperativa especializada em reciclagem - vai exigir bastante paciência. Cuidar do planeta é tão bom. Ele é a nossa casa. Tem gente que se esqueceu disso. Torce daí!


Só por curiosidade, dê uma olhada neste quadro (clique para ampliar). Tem material que deve ir diretamente para o lixo, outros podem ser reaproveitados.

* Desde que não contaminados por resíduos perigosos, de acordo com a classificação da NBR 10004 da ABNT, 
e da Resolução CONAMA 358/05.

pedro antônio de oliveira

11.2.12

... pra você me conjugar


Silêncio pra te comover
Música pra te alcançar
Refrão pra te enternecer
E agora só falta você.

"verbos sujeitos" zélia Duncan